O Conselho Regional de Biologia da 3ª Região – Rio Grade do Sul, condena veementemente os atos praticados no dia de ontem (08/01/2023) em Brasília contra as Instituições democráticas brasileiras, ali representadas. Vilipendiaram, desrespeitaram e destruíram o nosso patrimônio histórico-cultural envoltos criminosamente no nosso símbolo maior, a bandeira do Brasil! Os Biólogos e Biólogas, ciosos quanto a preservação e conservação do nosso Patrimônio Natural e Cultural, sentem-se agredidos por tais atos de violência e desrespeito, por quem confunde DEMOCRACIA e LIBERDADE DE EXPRESSÃO, com a barbárie que envergonha, não apenas a nós brasileiros, mas a própria humanidade ao destruir seus próprios bens e a memória de um povo.

Torcemos para que volte à normalidade nossa Capital Federal, pois um país só é grande e livre através da união e respeito pelas culturas e diferenças de seu povo – de norte a sul e de leste ao oeste.

Esperamos que os inimagináveis atos praticados ontem não se repitam nunca mais, e que a justiça saiba usar com sabedoria sua pesada espada sobre quem a merece.

Diretoria do Conselho Regional de Biologia da 3ª Região.

 

 

 

O Conselho Regional de Biologia da 3ª Região obteve nova vitória no dia de ontem no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em relação às atividades de Análises Clínicas em Porto Alegre/RS.

 

Nosso Conselho venceu o Município de Porto Alegre/RS na 2ª instância após muitos anos de negativas em relação à assunção de Responsabilidade Técnica de Laboratórios Clínicos e a emissão dos respectivos alvarás sanitários aos Biólogos registrados no CRBio e legalmente habilitados. O município recorreu através de embargos de declaração após nossa vitória meses atrás, mas a turma julgou improcedente por unanimidade seu recurso.

 

Leia o voto do relator aprovado, clicando aqui!

 

Leia mais: 

 

 

 

 
 

 

 

O combate de pragas e vetores na Construção Civil já é uma das áreas de atuação para os Biólogos. No entanto, tem um nicho nesse mercado que vem crescendo de demanda e pode ser uma ótima opção para quem está se formando ou para quem já é graduado e quer explorar novas áreas na Biologia.

 

Além do trabalho pontual de aplicar produtos para tentar controlar cupins, formigas, ratos e escorpiões quando eles são identificados, vem aumentando a necessidade do acompanhamento maior da edificação, durante todos os processos da obra e com foco principal na prevenção. Desta forma, evitando dor de cabeça para a empresa e, principalmente, para quem vai usufruir da moradia ou condomínio.

 

"Tem Biólogo que está se formando e não sabe que pode empreender, sendo responsável técnico de empresas e trabalhar na área de controle ambiental associado a edificações, tanto na Construção Civil como em obras prontas. E tem uma ótima rentabilidade, pois trata-se de uma área que se pode atuar de forma esporádica, cobrando pela sua visita técnica", destacou o Biólogo Igor Martins, do Rio Grande do Norte.

 

Quando trabalhava na Secretaria de Meio Ambiente de Natal (RN), no começo dos anos 2000, ele já percebia a necessidade de o Biólogo estar mais próximo do urbanismo. Cerca de vinte anos depois, o mercado vem provando que ele estava certo. Hoje Martins é responsável técnico de nove condomínios no Rio Grande do Norte e vem sendo chamado para fazer consultoria em obras em outros Estados, como em Gravatá, em Pernambuco, por exemplo.

 

FORMA DE ATUAÇÃO

 

A grande diferença é exatamente a forma de atuação, ampliando o trabalho do que já é feito pelas empresas no combate a pragas e vetores. "O cupim de solo é o maior problema nas edificações. Em função do crescimento urbano, as matas são retiradas e existe a permanência deste tipo de cupim, que como é um inseto, é natural que ele degrade os vegetais para fazer a recomposição da matéria orgânica. E para evitar que ele no futuro adentre pelas frestas de tijolos, colunas, pilares e madeiramento, é preciso, assim que identificar a sua existência no terreno que vai ser edificado, tratar a estrutura da obra. Aplicar os produtos específicos para cada espécie. Mas para isso é preciso entender a dinâmica da edificação, desde a engenharia até os procedimentos de escavação. Uma infestação pode causar prejuízos antes mesmo de a edificação ficar pronta", ressaltou Igor Martins.

 

 

Cupins, ratos, formigas... escorpiões! Prever o que pode acontecer em uma obra é um diferencial, um campo de atuação inovador. No entanto, exige do Biólogo o conhecimento da praga, o combate e controle, como também de outras áreas, como Agronomia, Engenharia Civil e Ambiental. "É uma atuação muito mais ampla", finaliza Martins.


Fonte: CRBio-05

 
 
 

 

Aconteceu hoje (13/12/2022) em Porto Alegre, a primeira reunião do Grupo de Trabalho de Processos de Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos (GT - Outorga). Além das apresentações formais dos membros do GT, foram discutidas as diretrizes dos trabalhos futuros, entre elas uma linha de ação para a defesa das prerrogativas profissionais dos Biólogos na área.

 

 

Também houve uma apresentação da situação atual sobre o tema no Rio Grande do Sul e um histórico sobre a regulamentação no Sistema CFBio/CRBios, realizada pelo Gerente de Relações Institucionais, Fernando Cesar. Representando a Diretoria do CRBio-03 e dando as boas vindas às Biólogas que compõem o GT, esteve presente a Bióloga Inga Ludmila Veitenheimer Mendes, Vice-presidente, que também acompanhou os trabalhos de hoje.

 

O GT é composto pelas Biólogas MAGDA CREIDY SATT ARIOLI, Coordenadora de Fiscalização do CRBio-03, LUCIA HELENA RIBEIRO RODRIGUES, Professora do IPH/UFRGS, ISA CARLA OSTERKAMP, Assessora de Gabinete da FEPAM/SEMA e pela Bióloga GRACIELA PACHECO, Analista Ambiental na Prefeitura Municipal de Vale do Sol.